Como Surgiu?

A Semana Azul nasce da vontade de compartilhar informações e dúvidas, construir novos caminhos para a inclusão de pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) por meio da arte e do diálogo. Vamos adentrar no universo do autismo com bate-papos com especialistas, cinema, programação cultural inclusiva e muito mais. A programação inclui ainda uma feira de orientações com as participações do Detran-DF, da OAB-DF e da Secretaria da Pessoa com Deficiência do Distrito Federal.

“Quando convivemos de perto com o autismo fica claro que a informação é o grande elemento de transformação tanto para o desenvolvimento da pessoa com TEA quanto para a inclusão na sociedade. É compreender as necessidades e diferenças para poder conviver em respeito às individualidades de cada um”, comenta uma das idealizadoras do projeto, Jaqueline Dias.

“Em função da publitização, o autismo está em pauta, mas a sociedade ainda precisa conhecer melhor, entender, conviver para incluir de verdade e brigar por políticas públicas efetivas, oportunizando acessos à saúde, educação, cultura, mercado de trabalho que estão muito aquém das necessidades”, explica Cíntia Rogner, co-idealizadora da Semana Azul e mãe de Fábio, diagnosticado com TEA aos 3 anos.

A Semana Azul é realizada no mês de junho – escolhido por ser o dia 18/6 uma data simbólica importante – Dia do Orgulho Autista.  O projeto Semana Azul é realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal e conta com apoio da Secretaria da Pessoa com Deficiência/DF, Detran/DF, Movimento Orgulho Autista Brasil (MOAB), Associação Brasileira de Autismo, Comportamento e Intervenção (ABRACI-DF) e Instituto Steinkopf.

Por quê realizar ?

No fim dos anos 1980, uma a cada 500 crianças era diagnosticada com autismo. Hoje, a taxa é uma a cada 44. O significativo aumento chamou atenção até da ONU (Organização das Nações Unidas), que classificou o transtorno como uma questão de saúde pública. Atualmente, o Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC), divulgou um novo índice, a cada 36 pessoas nascidas, uma tem autismo.

Geralmente o autismo tem início na infância e permanece durante a adolescência e vida adulta. Ainda não se sabe precisar exatamente os fatores que levam ao aumento significativo dessa população de pessoas com condições especiais – só no Brasil são mais de 2 milhões. A agência da ONU diz que uma combinação de diversos fatores pode deixar a criança mais propensa à condição, como questões ambientais e genéticas.

Mas o que é inegável é a necessidade de se falar sobre o autismo, trocar informação e construir caminhos para inclusão dessa fatia significativa da população. Derrubar tabus, erradicar o preconceito por meio da informação. Abrir espaços para que eles possam se integrar à sociedade de maneira mais plena, incluindo o acesso à arte e educação.

A Semana Azul propõe uma programação que traz luz a temas ainda pouco abordados com o público em geral. Serão diálogos e atividades culturais para colocar o assunto em evidência e convidar a sociedade para um diálogo, incluindo famílias, educadores, profissionais especializados e interessados. Uma semente para a criação de novos caminhos para cultura e educação dos portadores de Transtorno do Espectro Autista (TEA) e novas relações com a sociedade.

Quem somos?

Equipe responsável pela realização da Semana Azul

Idealização:

Cíntia Rogner e Jaqueline Dias

Coordenação geral:

Jaqueline Dias

Produção Executiva:

Tato Comunicação

Direção artística:

Ana Steinkopf

Curadoria de cinema:

Ulisses de Freitas

Espaço sensorial:

Heitor Gavino / Sou Muito Mais Esportes Adaptados

Assistência de Produção:

Priscilla Lacerda 

Apresentadora:

Nyedja Genari

Gestão de mídias sociais: 

Ana Gabriela

Imprensa:

Tato Comunicação – Cíntia Rogner

Web designer: 

Abraão Duarte

Vinhetas:

Estúdio Gunga – Farid Abdernour

Fotografia:

André Zimmerer

Iluminação:

 Marcio Menezes

Sonorização:

Hiago Pessanha

Edição de Vídeos:

Daniel Sarkis

Arte-Educadores:

Flávio Gaio e Alex 

Tradução em libras:

Guilherme Oia e Letícia Magalhães

Rolar para cima